Pular para o conteúdo principal

“O Prêmio Montezuma será surpreendente”, afirma Danilo Valverde, vencedor no ano de 2014


Por Leonardo Gonçalves e Shagaly Ferreira


Está se aproximando o dia da premiação dos melhores trabalhos realizados em 2016 e 2017 pelos estudantes de comunicação da UFRB. O Prêmio Montezuma chega a sua sétima edição com muitas novidades, mas também com um histórico repleto de momentos marcantes. O concluinte do curso de jornalismo, Danilo Valverde, premiado nas categorias telejornalismo e radiojornalismo, no ano de 2014, fez parte dessa história e conta para nós como foi essa experiência.
Você foi premiado nas categorias radiojornalismo (juntamente com Helen de Souza, Jaqueline Riquelme, Thamires Almeida e Udinaldo Junior) e telejornalismo em 2014, pode falar um pouco mais sobre esses trabalhos?
Eu fiz dois trabalhos, um sozinho e outro em equipe, e foi o grupo que realizou a inscrição. O programa de rádio chamava-se Mesa Redonda e abordou o machismo nas músicas de pagode. As entrevistadas foram Sara Sanches e Amanda Dias.  Elas debateram com a gente o assunto e foi muito bom fazer essa entrevista. Já o meu trabalho individual foi uma reportagem para TV, abordando um jornal-escola orientado pela estudante de jornalismo da UFRB Lorena Morais, em uma comunidade rural daqui de Cachoeira. Não esperava ganhar! Fui para o evento para acompanhar a premiação e acabei sendo premiado nas duas modalidades.
Qual o impacto do prêmio na sua vida estudantil e profissional?
Eu avalio o Montezuma como algo motivacional. Quando você vê seu trabalho premiado é sempre bom. Além disso, também é um espaço de divulgação do que está sendo feito nos cursos de jornalismo e publicidade.
Para você, qual é a importância deste prêmio para os estudantes de comunicação?
Eu acho que é importante fortalecer o Montezuma como espaço de premiação e não de competição, sendo um evento de apresentação dos nossos trabalhos, para melhorarmos as nossas funções e para haver esse reconhecimento.
Quais são as suas expectativas para a sétima edição do evento?
Vou assistir! Como eu estou saindo, não tenho acompanhado os trabalhos que estão sendo feitos, mas quero ver as coisas que estão sendo produzidas dentro da UFRB. E eu acredito que, como em todas as edições, eu vou me surpreender. Eu vou ver o trabalho dos colegas e dizer: ‘’ó tem coisa boa aí’’! Estou na expectativa para ver os trabalhos das pessoas que estão chegando.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Prêmio Montezuma de Comunicação anuncia os jurados da sua oitava edição

Confira os ganhadores do VII Prêmio Montezuma

Resultados do VII Prêmio Francisco Montezuma de Comunicação, realizado no auditório do Centro de Artes, Humanidades e Letras da UFRB, em Cachoeira, no último dia primeiro de março de 2018. O projeto de extensão é de autoria do professor Péricles Diniz e a equipe de organização do evento deste ano foi composta por estudantes de Publicidade e Propaganda e de Jornalismo. Este ano, o evento teve como tema os 50 anos da Tropicália, por este motivo a decoração, roupas e até o próprio troféu foram inspirados na estética do movimento. Para compor o júri foram convidados: a jornalista Suely Temporal, a publicitária Jéssica Almeida, a jornalista, fotógrafa e cantora Rita Tavares, o professor Juliano Mascarenhas e a professora Juciara Nogueira.



Premiados:
FOTOJORNALISMO – Bruno Leite. Tema: Boa Morte. Recebeu o prêmio das mãos da jornalista, fotógrafa e cantora Rita Tavares.



JORNALISMO ONLINE – Matéria: o custo da permanência, da autoria de Bruno Leite, Cíntia Falcão e Diamila Santos. O estudant…

Moda ou antimoda? 50 anos da Tropicália

Por: Gabriella Freitas, Janeise Santos e Bruno Brito A música brasileira pós-Bossa Nova e a “definição musical” no País estavam cada vez mais dominadas pelas posições tradicionais ou nacionalistas de movimentos ligados à esquerda, e no quesito moda, o que estava em vigor na década de 1960, era um vestuário amarrado a formas retilíneas, tons pastéis e uma cartela de cores nem um pouco ousada. Contra essas tendências, um grupo baiano e seus colaboradores procuraram universalizar a linguagem da MPB, incorporando elementos da cultura jovem mundial como o rock, a psicodelia e a guitarra elétrica. Aliado a essa nova experiência musical, os tropicalistas, como passaram a ser chamados, chocavam ao público com suas apresentações de grande apelo visual. É, que, além de transmitir a mensagem por suas letras e melodias irreverentes, os artistas tinham como intenção, desconstruir o conceito estético do belo e adotar a roupa como um prolongamento do corpo, sendo esse, um dos principais elementos d…