Pular para o conteúdo principal

Moda ou antimoda? 50 anos da Tropicália

Por: Gabriella Freitas, Janeise Santos e Bruno Brito

A música brasileira pós-Bossa Nova e a “definição musical” no País estavam cada vez mais dominadas pelas posições tradicionais ou nacionalistas de movimentos ligados à esquerda, e no quesito moda, o que estava em vigor na década de 1960, era um vestuário amarrado a formas retilíneas, tons pastéis e uma cartela de cores nem um pouco ousada.
Contra essas tendências, um grupo baiano e seus colaboradores procuraram universalizar a linguagem da MPB, incorporando elementos da cultura jovem mundial como o rock, a psicodelia e a guitarra elétrica. Aliado a essa nova experiência musical, os tropicalistas, como passaram a ser chamados, chocavam ao público com suas apresentações de grande apelo visual. É, que, além de transmitir a mensagem por suas letras e melodias irreverentes, os artistas tinham como intenção, desconstruir o conceito estético do belo e adotar a roupa como um prolongamento do corpo, sendo esse, um dos principais elementos da explosão de liberdade e atitude inseridas em suas performances.



Baseados na ideia de que o meio é a mensagem, a imagem tornava-se tão importante quanto suas declarações públicas. A moda era o próprio espetáculo, e tudo que limitasse a atitude criativa, deveria ser descartado.  As roupas de vinil do Caetano, as fantasias e brinquedos usados pelos Mutantes, as batas coloridas de Gil, ou até mesmo o cabelo e visual agressivo de Gal Costa, são características marcantes na formação e permanência do sucesso tropicalista.


Sendo um movimento de antimoda, a Tropicália surge como contestação, algo fora dos padrões vigentes, não seguindo os moldes das passarelas. Os elementos do passado ressurgem vivos e fascinantes, trazendo uma série de elementos coloridos, estampados e divertidos. Numa aparência semelhante à dos hippies, cores fortes, flores, penas, pêlos, franjas, chapéus malucos, batas e pantalonas, misturavam o cultural com o pop. A moda era jovem, louca e segundo a estilista Regina Boni (dona da principal marca da época, Ao Dromedário Elegante), não havia compromisso com o chamado “bom gosto”. A ideia era fugir dos dogmas e proliferar a liberdade de vestir e agir. “É proibido proibir”.

Tendo em vista a beleza desse movimento, e como forma de que todos estejam inseridos na temática, nós da Equipe Montezuma, separamos algumas peças e montamos alguns looks inspirações para que vocês possam se expressar da melhor forma na nossa noite de premiação.

PARA LEMBRAR:
Data: 01 de março
Horário:
Local: Centro de Artes, Humanidades e Letras

Traje: Seu melhor look tropicália

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Prêmio Montezuma de Comunicação anuncia os jurados da sua oitava edição

Confira os ganhadores do VII Prêmio Montezuma

Resultados do VII Prêmio Francisco Montezuma de Comunicação, realizado no auditório do Centro de Artes, Humanidades e Letras da UFRB, em Cachoeira, no último dia primeiro de março de 2018. O projeto de extensão é de autoria do professor Péricles Diniz e a equipe de organização do evento deste ano foi composta por estudantes de Publicidade e Propaganda e de Jornalismo. Este ano, o evento teve como tema os 50 anos da Tropicália, por este motivo a decoração, roupas e até o próprio troféu foram inspirados na estética do movimento. Para compor o júri foram convidados: a jornalista Suely Temporal, a publicitária Jéssica Almeida, a jornalista, fotógrafa e cantora Rita Tavares, o professor Juliano Mascarenhas e a professora Juciara Nogueira.



Premiados:
FOTOJORNALISMO – Bruno Leite. Tema: Boa Morte. Recebeu o prêmio das mãos da jornalista, fotógrafa e cantora Rita Tavares.



JORNALISMO ONLINE – Matéria: o custo da permanência, da autoria de Bruno Leite, Cíntia Falcão e Diamila Santos. O estudant…