Pular para o conteúdo principal

Nossos jurados

Confira aqui quem são os cinco integrantes do nosso competentíssimo júri:


Suely Temporal - Jornalista formada pela Universidade Federal da Bahia, com especialização em Marketing e Propaganda e em Mídias Convergentes. Possui grande experiência na imprensa baiana em rádio, jornal e TV, com passagens na TV Itapoan (Record) e Jornal da Bahia. Premiada pela Associação Baiana de Imprensa e pela Assembleia Legislativa do Estado. Vencedora do Prêmio ABMP 2008 e 2012 na categoria profissional de Assessoria de Comunicação. Chefiou o departamento de Jornalismo da TV Band/Bahia e as equipes de reportagem do Jornal da Bahia e do Correio da Bahia. Atuou como assessora de comunicação na Câmara Municipal de Salvador, Assembleia Legislativa do Estado da Bahia, Associação dos Professores Universitários da Bahia (APUB), Sindiquímica - Sindicato dos Trabalhadores Químicos e Petroquímicos do Estado da Bahia e Prefeitura de Camaçari, Braskem, Gerdau, entre outras. Sócia fundadora da Agência de Textos Comunicação Corporativa, empresa que atua na comunicação interna e externa das empresas com equipe especializada em jornalismo, marketing, RP e design. Na região Nordeste, a Agência de Textos possui uma operação em Recife desde 2013, onde mantém parcerias e equipe para atender seus clientes. Integra também a Rede Brasileira de Gestão de Imagem (RBGI), uma parceria entre agências de comunicação corporativa que atuam em diversas capitais e principais cidades do País. Essas agências são boutiques de comunicação e oferecem serviços extremamente personalizados e qualificados. O trabalho em formato taylor made das agências que integram a rede vai ao encontro das necessidades de grandes empresas nacionais e multinacionais de todos os segmentos.






Rita Tavares – Formada em Jornalismo pela Universidade Federal da Bahia, foi repórter do Correio da Bahia, assessora de Comunicação da Coordenação Estadual da Fundação Educar, Associação Brasileira de Irrigação e Drenagem (Abid) e da Secretaria de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza. Foi uma das primeiras e poucas repórteres cinematográficas na história da televisão baiana (até hoje, somente três mulheres trabalharam oficialmente como cinegrafistas no Estado). Além da TV Itapoan,  onde trabalhou nos anos 1980, Rita foi cinegrafista  da TV Bandeirantes, em Brasília, no final da referida década. Atualmente, combina as atividades jornalística com as musicais. Cadastrada pela SEI-BA, onde presta serviços de revisão ortográfica e gramatical, atua também como  freelancer,  assessorando empresas e grupos culturais baianos na elaboração de textos e releases, fotografando e divulgando serviços e eventos.




Jessica Almeida. Feirense, formada em Comunicação Social, atuou como redatora publicitária por 14 anos, com passagem em várias agências de Feira e Salvador. Atualmente é diretora de criação da Artecapital Propaganda (única mulher negra a ter esse título no Recôncavo) e pós-graduanda em Estudos Culturais na Unijorge - Salvador. Além disso, arrisca-se como escritora no instagram @letraspretas,  um projeto pessoal onde busca fortalecer a escrita feminina, através da ótica da mulher negra.



Juliano Mascarenhas - Graduado em Publicidade e Propaganda com ênfase em Marketing pela União Metropolitana de Educação e Cultura, é especialista em Docência do Ensino Superior pela FTC e titulado no mestrado em Direção Estratégica de Marketing pela universidade europeia Miguel de Cervantes. Atualmente é professor auxiliar da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Tem experiência na área de Comunicação, atuando no mercado de trabalho tanto no jornalismo quanto na publicidade, em TV comunitária, rádio e portais na internet, área de criação e atendimento em agências.



Juciara Nogueira - Pós doutora pela Universidade Federal da Bahia. Professora adjunta da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), coordenadora do curso de Publicidade e Propaganda e sócia efetiva do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia. Doutora em Cultura e Sociedade pela UFBA, onde também fez mestrado em Artes Visuais. Tem especialização em Metodologia do Ensino pela FCLPAA e graduação em Licenciatura em Educação Artística pela Universidade Católica do Salvador. É repórter fotográfica, associada ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado da Bahia desde 1989. Tem 12 anos de prática profissional em publicidade e propaganda, tendo realizado diversos trabalhos de criação, planejamento, design e pesquisas eleitorais. Foi professora dos cursos de Publicidade e Propaganda, de Relações Públicas e de Educação Artística da Universidade Católica do Salvador, entre 2005 e 2009. Professora Substituta da disciplina História da Arte Brasileira na Escola de Belas Artes da UFBA (2006-2007), lecionou Fotografia e Cinema na UCSAL (2005/2006) e História da Arte na UNEB (1997-1998). Tem experiência em pesquisa, análise e avaliação de projetos em Artes Visuais. Realizou exposições fotográficas individuais e uma coletiva (foto: Welder Souza).

Postagens mais visitadas deste blog

Moda ou antimoda? 50 anos da Tropicália

Por: Gabriella Freitas, Janeise Santos e Bruno Brito A música brasileira pós-Bossa Nova e a “definição musical” no País estavam cada vez mais dominadas pelas posições tradicionais ou nacionalistas de movimentos ligados à esquerda, e no quesito moda, o que estava em vigor na década de 1960, era um vestuário amarrado a formas retilíneas, tons pastéis e uma cartela de cores nem um pouco ousada. Contra essas tendências, um grupo baiano e seus colaboradores procuraram universalizar a linguagem da MPB, incorporando elementos da cultura jovem mundial como o rock, a psicodelia e a guitarra elétrica. Aliado a essa nova experiência musical, os tropicalistas, como passaram a ser chamados, chocavam ao público com suas apresentações de grande apelo visual. É, que, além de transmitir a mensagem por suas letras e melodias irreverentes, os artistas tinham como intenção, desconstruir o conceito estético do belo e adotar a roupa como um prolongamento do corpo, sendo esse, um dos principais elementos d…

Indicados em Matéria Jornalística

Saem os primeiros finalistas para o Prêmio Montezuma: por indicação do professor Carlos Ribeiro, estão concorrendo na categoria Matéria Jornalística: Catharina Arouca e Kaio Pereira - O ensino superior e as consequências para a saúde mental dos jovens. CONFIRA A MATÉRIA DE CATHARINA E KAIO.

Catharina Arouca - Expressão: liberdade ou prisão? CONFIRA AQUI A MATÉRIA DE CATHARINA.

Jamile da Silva e Jaqueline Ferreira - Genocídio da população negra e periférica. CONFIRA A MATÉRIA DE JAMILE E JAQUELINE.

Lucas Mascarenhas - Projetos sociais incentivam jovens de Cachoeira a se aproximarem da dança. CONFIRA A MATÉRIA DE LUCAS.

Magno do Rosário - Paredes pintadas do CAHL dividem opiniões.CONFIRA A MATÉRIA DE MAGNO. A VII edição do Prêmio Francisco Montezuma está marcado para o dia 1° de março de 2018, este ano o prêmio será com o tema Tropicália e será a primeira edição em que será entregue o troféu Rachel Neuberger.

Inscrições seguem abertas

A professora Talyta Singer enviou uma lista com os 10 melhores trabalhos em Webjornalismo nos anos de 2016 e 2017, mas como esta edição premiará todo o período de maneira unificada, estamos trabalhando para publicar, em breve, a relação definitiva dos cinco indicados na categoria.

Como os concorrentes em Matéria Jornalística já estão definidos (confira na postagem anterior) e até o momento os professores não apresentaram suas indicações, seguem abertas as inscrições, que devem ser feitas pelos próprios estudantes, autores dos trabalhos, nas seguintes categorias:

Campanha Publicitária
Jingle Publicitário               Criação em Rádio e TV        Outdoor                                                       Anúncio Impresso                Fotografia Publicitária                    Fotojornalismo                     Radiojornalismo                         Telejornalismo                                          Design Gráfico