Pular para o conteúdo principal

Entrevista com Wilson Penteado


    Wilson Penteado, um dos jurados da premiação, fala sobre suas expectativas acerca da VI edição do evento.

1- Por que aceitou o convite para ser jurado do VI Prêmio Montezuma?

    Foram vários os motivos que me levaram a aceitar o convite para ser jurado do Prêmio Montezuma nesta VI edição. Primeiramente, a natureza do evento. Sempre acreditei nos bons frutos que podem render eventos de premiação como este. Valorizar a produção discente é fundamental para a justa visibilidade que devem ganhar bons trabalhos, tendo como principais marcas o incentivo pessoal e profissional aos indicados e ganhadores do prêmio. Em complemento, no caso do Prêmio Montezuma, o convite foi recebido de bom grado também pela seriedade com que o evento é sempre conduzido e a importância para a comunidade do CAHL e UFRB.
  
2- Além de professor, você também é diretor do Centro de Artes, Humanidades e Letras (CAHL), que sediará o evento. Enquanto diretor, como você analisa o evento. Qual a relevância de um prêmio, como o Montezuma, para o centro? 

    Reconhecer bons trabalhos, congregar pessoas de áreas afins no âmbito de um Centro de Artes e Humanidades como o nosso é, fundamentalmente, um grande acontecimento, e o Prêmio Montezuma é expressão disso. Como professor e gestor acadêmico, sempre apostei na valorização e reconhecimento da produção discente. O CAHL imprimiu em sua história, importantes iniciativas de valorização a trabalhos acadêmicos de discentes, a exemplo do "Prêmio destaque - melhor pesquisa estudantil do CAHL", nas edições 2010 e 2011, em que foram reconhecidos os melhores trabalhos estudantis de pesquisa de nosso Centro. Empreendemos também, neste ano de 2015, o projeto de publicação de um livro composto unicamente por textos escritos e fotografias de autoria de discentes do CAHL, intitulado "Pelas Lentes do Recôncavo", onde os estudantes de comunicação tiveram, ao lado de estudantes de outros cursos, expressiva e importante participação. Como Diretor, analiso muito positivamente acontecimentos como o Prêmio Montezuma, dada sua importância e notoriedade em nosso Centro.

3- Qual a expectativa para a noite do dia 8 de dezembro?

    A expectativa é a melhor possível. Tenho acompanhado as expressões de emoção e satisfação, pelas redes sociais, de alguns indicados para o Prêmio. Certamente, será uma noite de apresentação de bons resultados de trabalhos, regada à emoção, reconhecimento e partilha de talentos e esforços. Como antropólogo e professor, sempre entendi a experiência pedagógica como processual e diversa, constituída em sala de aula, mas também para além dela. O Prêmio Montezuma, certamente, é expressão positiva disso. 


Breve Biografia:


    Nascido na cidade de Campinas-SP, é graduado em Ciências Sociais pela UNICAMP (2001), mestre (2004) e doutor (2010) em Antropologia Social pela mesma Universidade. É ganhador do Prêmio Silvio Romero (2006), no Concurso Nacional de Pesquisas sobre Cultura Popular, promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional / IPHAN e Ministério da Cultura / MinC. É autor e organizador de livros, dentre os quais "Jongueiros do Tamandaré: devoção, memória e identidade social no ritual do jongo" (Editora Annablume e FAPESP, 2010); "Serviço Social, Trabalho e Direitos", (Editora da UFRB, 2014), "Pelas Lentes do Recôncavo: teoria social, artes e humanidades", (Editora da UFRB, no prelo). Autor de artigos acadêmicos, dentre os quais "Entre voix, énigmes et regards: le processus de reconnaissance patrimoniale du jongo et la 'nation brésilienne'" (Les Carnets du Lahic, Paris/França v. 11, p. 119-138, 2015). É Professor Adjunto de Antropologia, Nível 4, na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB, onde atua como pesquisador nos grupos "Expressões Culturais, Corpo e Socialização "- ECCOS (na linha "Cultura Popular, Festejos e Rituais"), e "Corpo e Cultura" (na linha "Corpo e Política"), lecionando no Centro de Artes, Humanidades e Letras, sediado na cidade histórica de Cachoeira-BA. Neste Centro, chefiou o Núcleo de Gestão de Atividades de Pesquisa no biênio 2010/2011 e desde 2012 ocupa o cargo de Vice-Diretor. Atua como professor/pesquisador no Programa de Pós graduação em Ciências Sociais: Cultura, Desigualdades e Desenvolvimento através da linha de pesquisa "Identidade e Diversidade Cultural".




Por Phael Fernandes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Prêmio Montezuma de Comunicação anuncia os jurados da sua oitava edição

Confira os ganhadores do VII Prêmio Montezuma

Resultados do VII Prêmio Francisco Montezuma de Comunicação, realizado no auditório do Centro de Artes, Humanidades e Letras da UFRB, em Cachoeira, no último dia primeiro de março de 2018. O projeto de extensão é de autoria do professor Péricles Diniz e a equipe de organização do evento deste ano foi composta por estudantes de Publicidade e Propaganda e de Jornalismo. Este ano, o evento teve como tema os 50 anos da Tropicália, por este motivo a decoração, roupas e até o próprio troféu foram inspirados na estética do movimento. Para compor o júri foram convidados: a jornalista Suely Temporal, a publicitária Jéssica Almeida, a jornalista, fotógrafa e cantora Rita Tavares, o professor Juliano Mascarenhas e a professora Juciara Nogueira.



Premiados:
FOTOJORNALISMO – Bruno Leite. Tema: Boa Morte. Recebeu o prêmio das mãos da jornalista, fotógrafa e cantora Rita Tavares.



JORNALISMO ONLINE – Matéria: o custo da permanência, da autoria de Bruno Leite, Cíntia Falcão e Diamila Santos. O estudant…

Moda ou antimoda? 50 anos da Tropicália

Por: Gabriella Freitas, Janeise Santos e Bruno Brito A música brasileira pós-Bossa Nova e a “definição musical” no País estavam cada vez mais dominadas pelas posições tradicionais ou nacionalistas de movimentos ligados à esquerda, e no quesito moda, o que estava em vigor na década de 1960, era um vestuário amarrado a formas retilíneas, tons pastéis e uma cartela de cores nem um pouco ousada. Contra essas tendências, um grupo baiano e seus colaboradores procuraram universalizar a linguagem da MPB, incorporando elementos da cultura jovem mundial como o rock, a psicodelia e a guitarra elétrica. Aliado a essa nova experiência musical, os tropicalistas, como passaram a ser chamados, chocavam ao público com suas apresentações de grande apelo visual. É, que, além de transmitir a mensagem por suas letras e melodias irreverentes, os artistas tinham como intenção, desconstruir o conceito estético do belo e adotar a roupa como um prolongamento do corpo, sendo esse, um dos principais elementos d…