Pular para o conteúdo principal

Entrevista com Juliano Mascarenhas

Por Phael Fernandes

Foto: Acervo Pessoal


“A produção acadêmica tem papel fundamental na revelação de talentos”, afirma o professor Juliano Mascarenhas.

    Juliano Mascarenhas possui graduação em Publicidade e Propaganda com Ênfase em MARKETING pela União Metropolitana de Educação e Cultura (2006), Especialista em Docência do Ensino Superior pela FTC e Titulado em Mestrado em Direção Estratégica de Marketing, pela Universidade Europeia Miguel de Cervantes e Universidade Internacional Iberoamericana. Atualmente é professor auxiliar da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia nos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda.

1- Estamos em sua sexta edição e já podemos dizer que o prêmio é uma tradição. Por que aceitou o convite para participar do evento?

    Sempre que um evento permanece em um calendário por seis anos, temos que encarar como tradição. Ainda mais quando se refere a um evento com a qualidade do Montezuma. Aceitei o convite por encarar como uma honra esta participação, além de idealizadores serem pessoas que têm meu respeito e admiração. Quando falamos em eventos dessa categoria, é sempre satisfatório estar participando.

2- Você estreia fazendo parte do júri. Qual a expectativa em ser jurado do prêmio?

    Me sinto orgulhoso por ser um evento ligado à UFRB. Conheço os professores e alunos do curso e aguardo ser surpreendido em todas as categorias, por conta desta qualidade.

3- O principal objetivo do evento é incentivar as produções feitas pelos discentes de comunicação. O que pensa dessa iniciativa?

    Creio que este seja um dos eventos mais importantes, se não o mais, neste sentido. A produção acadêmica tem papel fundamental na revelação de talentos.

4- Desde a criação do prêmio, é a primeira vez que curso de Publicidade e Propaganda participa do evento. É interessante a interação do curso de jornalismo com o de publicidade e propaganda?

    Muito importante e cabal para desenvolvimento de atividades como o Montezuma. Quando juntas, as duas áreas da comunicação trazem muitas possibilidades, além de serem complementares. O jornalismo não se banca e a publicidade não possui ampla atratividade sem o jornalismo.

5- Qual a importância do prêmio para os cursos de comunicação?

    O incentivo para os discentes produzirem mais e com maior dedicação e para os docentes criarem mais atividades de extensão.

6- De maneira geral, o que o jurado Juliano espera ver?

    A realização de todo esforço dos professores em disseminar o conhecimento e dos alunos em demonstrar a compreensão. Acho que esta combinação renderá ótimos trabalhos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Prêmio Montezuma de Comunicação anuncia os jurados da sua oitava edição

Confira os ganhadores do VII Prêmio Montezuma

Resultados do VII Prêmio Francisco Montezuma de Comunicação, realizado no auditório do Centro de Artes, Humanidades e Letras da UFRB, em Cachoeira, no último dia primeiro de março de 2018. O projeto de extensão é de autoria do professor Péricles Diniz e a equipe de organização do evento deste ano foi composta por estudantes de Publicidade e Propaganda e de Jornalismo. Este ano, o evento teve como tema os 50 anos da Tropicália, por este motivo a decoração, roupas e até o próprio troféu foram inspirados na estética do movimento. Para compor o júri foram convidados: a jornalista Suely Temporal, a publicitária Jéssica Almeida, a jornalista, fotógrafa e cantora Rita Tavares, o professor Juliano Mascarenhas e a professora Juciara Nogueira.



Premiados:
FOTOJORNALISMO – Bruno Leite. Tema: Boa Morte. Recebeu o prêmio das mãos da jornalista, fotógrafa e cantora Rita Tavares.



JORNALISMO ONLINE – Matéria: o custo da permanência, da autoria de Bruno Leite, Cíntia Falcão e Diamila Santos. O estudant…

Moda ou antimoda? 50 anos da Tropicália

Por: Gabriella Freitas, Janeise Santos e Bruno Brito A música brasileira pós-Bossa Nova e a “definição musical” no País estavam cada vez mais dominadas pelas posições tradicionais ou nacionalistas de movimentos ligados à esquerda, e no quesito moda, o que estava em vigor na década de 1960, era um vestuário amarrado a formas retilíneas, tons pastéis e uma cartela de cores nem um pouco ousada. Contra essas tendências, um grupo baiano e seus colaboradores procuraram universalizar a linguagem da MPB, incorporando elementos da cultura jovem mundial como o rock, a psicodelia e a guitarra elétrica. Aliado a essa nova experiência musical, os tropicalistas, como passaram a ser chamados, chocavam ao público com suas apresentações de grande apelo visual. É, que, além de transmitir a mensagem por suas letras e melodias irreverentes, os artistas tinham como intenção, desconstruir o conceito estético do belo e adotar a roupa como um prolongamento do corpo, sendo esse, um dos principais elementos d…