Pular para o conteúdo principal

Curso de Publicidade da UFRB organiza em Cachoeira a sétima edição do Prêmio Montezuma de Comunicação

Está marcada para o próximo dia 1º de março, a partir da 18 horas, no auditório do Centro de Artes, Humanidades e Letras da Universidade Federal da Bahia (UFRB), na cidade histórica de Cachoeira, a sétima edição do Prêmio Francisco Montezuma de Comunicação. O evento, criado em 2008, premia anualmente os melhores produtos laboratoriais desenvolvidos em sala de aula pelos alunos dos cursos de Publicidade e de Jornalismo. A iniciativa é do curso de Publicidade e Propaganda da UFRB, através do Grupo de Estudos da Mídia (GEM).

Esta edição vai escolher as melhores peças produzidas nos semestres letivos de 2016 e 2017, nas categorias de Campanha Publicitária, Jingle, Criação para Rádio e TV, Outdoor, Anúncio Impresso e Fotografia Publicitária. Por sua vez, os estudantes de Jornalismo concorrerão em Jornalismo Impresso, Fotojornalismo, Radiojornalismo, Telejornalismo, Webjornalismo e Design Gráfico. Os professores que ministram cada uma destas especialidades fazem a indicação dos cinco melhores trabalhos do ano e, na noite de premiação, um juri composto por professores da universidade e profissionais de atuação reconhecida na área escolhem, in loco, o melhor de cada categoria.




Tradição e prêmios



A festa, que desta vez vai homenagear o cinquentenário da Tropicália, costuma ser bastante concorrida, reunindo estudantes, professores e servidores técnicos da UFRB, além da própria comunidade do Recôncavo. Pois, de acordo com o seu idealizador, professor Péricles Diniz, “tem como objetivo principal, reunir e render justa homenagem à criação e dedicação dos professores e estudantes estes cursos”. Como geralmente não há patrocínio ou apoios outros, além daqueles proporcionados pelo próprio espaço acadêmico, a premiação se vale da doação de livros de autoria dos professores do centro, bem como de outros itens oferecidos pela comunidade regional. Todos os vencedores, contudo, recebem um troféu e diplomas referentes à categoria conquistada.



Mantendo a tradição, também haverá apresentações artísticas dos estudantes, que costumam produzir espetáculos de dança e música. Os estudantes de Jornalismo aproveitam para exercitar seu aprendizado na elaboração de matérias dedicadas à divulgação e cobertura do prêmio, enquanto os discentes do bacharelado em Publicidade e Propaganda, o primeiro curso público desta profissão criado na Bahia, se responsabilizam por toda a produção, desde as etapas de planejamento e elaboração, até a apresentação do evento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Prêmio Montezuma de Comunicação anuncia os jurados da sua oitava edição

Confira os ganhadores do VII Prêmio Montezuma

Resultados do VII Prêmio Francisco Montezuma de Comunicação, realizado no auditório do Centro de Artes, Humanidades e Letras da UFRB, em Cachoeira, no último dia primeiro de março de 2018. O projeto de extensão é de autoria do professor Péricles Diniz e a equipe de organização do evento deste ano foi composta por estudantes de Publicidade e Propaganda e de Jornalismo. Este ano, o evento teve como tema os 50 anos da Tropicália, por este motivo a decoração, roupas e até o próprio troféu foram inspirados na estética do movimento. Para compor o júri foram convidados: a jornalista Suely Temporal, a publicitária Jéssica Almeida, a jornalista, fotógrafa e cantora Rita Tavares, o professor Juliano Mascarenhas e a professora Juciara Nogueira.



Premiados:
FOTOJORNALISMO – Bruno Leite. Tema: Boa Morte. Recebeu o prêmio das mãos da jornalista, fotógrafa e cantora Rita Tavares.



JORNALISMO ONLINE – Matéria: o custo da permanência, da autoria de Bruno Leite, Cíntia Falcão e Diamila Santos. O estudant…

Moda ou antimoda? 50 anos da Tropicália

Por: Gabriella Freitas, Janeise Santos e Bruno Brito A música brasileira pós-Bossa Nova e a “definição musical” no País estavam cada vez mais dominadas pelas posições tradicionais ou nacionalistas de movimentos ligados à esquerda, e no quesito moda, o que estava em vigor na década de 1960, era um vestuário amarrado a formas retilíneas, tons pastéis e uma cartela de cores nem um pouco ousada. Contra essas tendências, um grupo baiano e seus colaboradores procuraram universalizar a linguagem da MPB, incorporando elementos da cultura jovem mundial como o rock, a psicodelia e a guitarra elétrica. Aliado a essa nova experiência musical, os tropicalistas, como passaram a ser chamados, chocavam ao público com suas apresentações de grande apelo visual. É, que, além de transmitir a mensagem por suas letras e melodias irreverentes, os artistas tinham como intenção, desconstruir o conceito estético do belo e adotar a roupa como um prolongamento do corpo, sendo esse, um dos principais elementos d…